29/08/2017

3 poemas pelo dia da visibilidade lésbica





Esses 3 poemas saíram, semana passada, na Mulheres que escrevem - uma iniciativa cuja proposta é divulgar e debater a literatura produzida por mulheres. Pra quem não sabe, hoje, dia 29 de agosto, é comemorado o dia da visibilidade lésbica. Por conta disso, eu usei os stories do instagram pra falar um pouco sobre esse assunto durante todo o mês de agosto - e ainda pretendo falar mais, né, porque todo dia precisa ser dia de visibilidade lésbica.

Então, em homenagem a data, ficam aqui os 3 poemas originalmente publicados na Mulheres que escrevem, com ilustração da Kaethe Butcher.







poucas chances


mesmo que eu soubesse te fazer
esquecer o rosto dele
e lembrar do meu 
mais vezes
muitas vezes
tantas vezes por dia quanto se pode lembrar
do rosto de alguém
em seus mais diferentes ângulos em inusitados ângulos
inéditos ângulos
como o meu rosto por exemplo
entre as suas pernas
como o meu rosto por exemplo a poucos centímetros de distância
do seu
encontrando o seu
lentamente entrando no seu
como entraria a minha mão entre as
dobras do seu pescoço
entre as dobras dos seus joelhos
mesmo que você pudesse imaginar o meu rosto como ficaria
incendiado
se você chegasse mais perto
tão perto que só haveria no mundo
os rostos
de nós duas
e tudo que os rostos de nós duas podem fazer um com o outro
dizer um ao outro
mesmo assim
eu sei
há poucas chances
de entrar em você sem que uma de nós termine o dia
incapaz de encontrar
o caminho
de volta




12 passos entre 2


1) você vai me chamar de amiga sem
pensar você vai lançar essa palavra casualmente 
sobre o meu rosto
uma granada
2) talvez até me conte o que ele fez o que ele disse
você vai me incluir passar a mão no meu cabelo
3) perceber o meu corpo em comparação ao seu
tentar entender como domesticar essa vontade
de observar
4) a minha inegável insistência em te olhar com a respiração
acelerada eu disfarço olho pra outro lado
5) você sabe
6) você sempre soube
7) você queria não saber
8) mas depois que se diz não se pode desdizer não se pode
desver o que foi subitamente visto um elástico nunca mais é o mesmo
depois que a gente estica
9) uma mulher nunca mais é a mesma depois que
enfia os dedos no medo de hospedar
o próprio desejo
10) você vai me chamar de amiga talvez sabendo que eu
não sou sua amiga
talvez sabendo que eu não estou no lugar onde você
me coloca
11) mas você me coloca
12) porque afinal você não saberia nem por onde começar
a ser desejada
por mim




metamorfose


desde que ela encostou em mim acho que
venho derretendo
primeiro perdi o contorno das pernas
depois o contorno dos braços
quando um dia ela se debruçou sobre mim e um cacho
de cabelo escorregou pela minha bochecha
eu percebi que também tinha ido embora
a solidez do meu rosto
agora tudo me atravessa com mais facilidade
agora meu corpo aberto
recebe o corpo dela
como se fosse uma onda encontrando a outra
desde que ela encostou em mim acho que o meu corpo
está mais composto de água que nunca
tudo é úmido
é fresco
é imenso
tudo é estar com a pele molhada sob o sol
um fôlego oceânico de sereias ancestrais
que entendem
alguma coisa
que ninguém mais entendeu
desde que ela encostou em mim




Quem ainda não conhece a Mulheres que escrevem, aproveita para passar lá no Medium e conhecer. O que não falta é literatura produzida por mulheres, então vamos procurar, prestigiar e divulgar?








Nenhum comentário:

Postar um comentário