24/08/2017

Vai ser sim ou não: sobre se amar demais pra ficar em banho-maria




Imagem: Ana Teresa Barboza


Esses dias, conversando com uma amiga, me peguei dizendo que eu ando com uma enorme preguiça de quem não diz logo o que quer. Aos 27, já não tenho mais tempo pra perder com quem não está na mesma página que eu. Inclusive, eu olho pra pessoa que eu era aos 22 anos, enrolada por meses com gente incapaz de se decidir sobre o que queria de mim, e mal me reconheço. Acho que o amor próprio tá aí também. Quando a gente consegue se amar, a aprovação do outro passa a valer bem menos - e o nosso tempo passa a valer bem mais. Quer? Quer. Não quer? Tranquilo. Quer, mas não sabe o que fazer com isso? Então vai se decidir enquanto eu sigo a minha vida porque já não me é suficiente ser cozinhada em banho-maria. Não pode nem deve ser suficiente.

No ano passado, eu me envolvi com uma pessoa que me ganhou (entre outras coisas) pela coragem. A gente conversava há poucos dias quando, no meio de uma conversa, ela simplesmente virou pra mim e disse que me achava interessante, se sentia atraída por mim e acreditava que isso podia chegar a algum lugar. Ela não falou isso de uma forma calculista como uma tentativa de me seduzir e me fazer cair na conversa dela. Foi real. Foi aberto. Foi honesto, claro, objetivo. Profundamente corajoso. Eu nunca tinha conhecido alguém tão corajoso e aquela coragem me ganhou na mesma hora.

Por ironia da vida, eu conheci essa pessoa logo depois de um envolvimento com alguém que me frustrou exatamente pela covardia. Nessa história, tinha sido eu a corajosa, a que chega e diz claramente o que quer. Com muito esforço. Querendo morrer. Me sentindo nua. Morrendo de medo. Mas indo, apesar de. O que eu descobri com isso é que a clareza e a coragem assustam muita gente. Quem fala abertamente sobre o que quer desestabiliza quem ainda não conseguiu olhar o próprio desejo nos olhos. Em um mundo de joguinhos amorosos, indiretas, sinais obscuros e saídas pela tangente, chegar e dizer "eu quero você" pode ser um tanto assustador, tanto pra quem diz quanto pra quem ouve.

Talvez fosse legal pensar em como isso pode refletir a nossa dificuldade de encarar o nosso próprio desejo. Em como isso diz muito sobre uma sociedade que só permite desejos confessados em voz baixinha, quase entre dentes, meio de lado, sem olhar ninguém no olho. Talvez fosse legal pensar em como, num mundo de Tinders e outros cardápios humanos, a gente se assusta com alguém que parece decidido a querer a gente, alguém que não sai pela tangente, não dá sinais contraditórios enquanto mantém a sua lista de contatinhos ativa e na espreita. Talvez fosse interessante pensar nos motivos pelos quais o "eu quero você" assusta tanto, mas não é sobre isso que eu queria escrever.

A questão é que, depois desses dois relacionamentos transformadores, comecei a perceber melhor o que existe por trás dessa coragem. Fui me tornando mais corajosa também. E criei uma enorme preguiça de gente que não encara. Não existe nada mais atraente pra mim, hoje em dia, do que uma pessoa que me diz o que quer. De forma aberta, clara, objetiva, honesta. Disposta a abraçar o risco. Profundamente corajosa. É como eu mesma tenho tentado ser com os outros também. Sem jogos, sem meias verdades, sem dizer A querendo dizer B. É mais saudável assim, é mais justo com todos os envolvidos. É honesto com o nosso próprio desejo.

De certa forma, me parece que essa disposição em correr o risco e encarar a resposta do outro é a maior demonstração de amor próprio que a gente pode bancar. Depois de atravessar um processo de autoaceitação, não tem por que precisar da aprovação do outro, não tem por que surtar só porque o outro não gosta da gente. Tudo bem se ele não gostar. A gente parte pra outra e continua. A gente parte porque o nosso tempo, sim, vale muito pra ser desperdiçado em lugares meia boca. Lembro daquela frase que dizem ser da Frida: "onde não puderes amar, não te demores". Também lembro da Nina Simone: "Você tem que aprender a se levantar da mesa quando o amor não está mais sendo servido". E da Anitta: "Se quiser jogar, vem. Mas tem que arriscar, vem. Vai ser sim ou não". A Anitta, a Nina e a Frida não têm paciência pra "talvez". Nem eu.

Depois que a gente atravessa um processo de efetivamente entender o quanto a gente tem valor, não dá mais pra aceitar migalha disfarçada de banquete. Não dá mais pra aceitar ficar em banho-maria. Não dá mais pra colocar o nosso tempo nas mãos de gente que não consegue encarar o próprio desejo sem sair correndo. Afinal, exige coragem assumir o que a gente quer (não só pros outros, mas pra gente mesmo). Exige coragem e, se é pra arriscar, que a gente arrisque com quem vai valorizar a nossa coragem - e não se assustar com ela. Que a gente se arrisque com gente disposta a responder a nossa entrega com entrega também. E, se a entrega não for possível, que pelo menos respondam com a mesma honestidade, a mesma clareza, o mesmo cuidado. Vai ser sim ou não, mas, se for não, a gente levanta da mesa com a consciência tranquila de quem não teve medo de querer o que quis. Ou melhor dizendo: de quem teve medo, mas foi mesmo assim, apesar de.










74 comentários:

  1. Nem te conheço e já quero ser sua amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela disse exatamente o que eu tava sentindo. Obrigada por isso

      Excluir
    2. Hahahahaha ai, que linda! Brigada, Marina! <3

      Excluir
    3. Sensacional! Chega de "talvez"!

      Excluir
    4. Sensacional! Chega de "talvez"!

      Excluir
  2. SEN-SA-CIONAL! Representou, na escrita, o que tenho pensado e dividido com minhas amigas há algum tempo. Cansei. Não quero mais. Se for pra ser inteiro, vá oferecer suas migalhas pra quem as aceita. Eu não aceito mais. Lindo!!!

    ResponderExcluir
  3. MANO, É ISSO. Obrigada por este texto.

    ResponderExcluir
  4. Sinto exatamente isso,e o ser decidida pode ser confundido com carência.Mas de fato uma indecisão a longo prazo nos rouba o tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, verdade, ainda tem isso! A pessoa clara e decidida é muitas vezes lida como desesperada mesmo. É muito triste essa necessidade da gente fazer joguinhos amorosos pra parecer isso e aquilo, me parece uma perda imensa de tempo.

      Excluir
  5. Acho que vc representou um taaaanto de gente que já ficou em banho maria nessa vida. e como vc, eu me admiro por nunca ter sido uma covarde, em ter bradado meu amor, sem medo. não deu certo, mas ao menos eu fui corajosa. e como a gente aprende com isso, viu? ótimo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  6. Só tenho a dizer muito obrigada por esse texto!
    Era tudo o que eu precisava ler <3

    ResponderExcluir
  7. Perfeito! passei por isso recentemente, alguém se declarou enquanto eu estava recolhendo migalhas do que o outro deixou. Acho que eu não soube dar valor para o "corajoso" em questão. :'(

    ResponderExcluir
  8. Cara, sem palavras a que!!!!!!.
    Eu penso que, falar sobre os sentimentos e ter honestidade sobre eles atualmente na sociedade é algo em falta, sabe.
    Quando encontro uma pessoa que é sincera, fico feliz, porque a sinceridade é uma virtude que tá em falta.
    Teu texto me abalou profundamente, porque, me entendo como uma pessoa timidade, mas que vivo lutando pelos meus objetivos. E tipo se eu to gostando de alguém, eu falo na tora, apesar do nervosismo. Temos que saber antes de tudo, se vale a pena investir em um relacionamento, ressaltando que, conviver com outra pessoa é uma construção e parceria.
    Agradeço pelo belíssimo texto, já te considero uma amiga magnifica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso! Eu também sou tímida, mas atualmente vou e deixo claro mesmo morrendo de medo. Acho que, seja qual for a resposta do outro, isso é uma coisa que a gente deve a nós mesmas, sabe? Se você sente algo, o mínimo que você pode fazer por você mesma é dar a esse algo uma tentativa, uma chance de se concretizar. E, se der errado, pelo menos a gente sabe que fez tudo o que podia. É um clichê, mas me parece 100% real, rs. Brigada pelo comentário, querida, bjs!

      Excluir
  9. Me identifico plenamente! Grata! Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Que textão da porr*! Justo quando eu decidi ser corajosa eu encontrei esse texto, e essas palavras só me encorajaram mais.

    ResponderExcluir
  11. Perfeito! Viver em banho maria, definitivamente, não dá! A vida é curta demais para viver sem saber o que quer...

    ResponderExcluir
  12. Mulher, tem que ser "sim ou não" mexmo! haha Fico bem feliz quando vejo abordagens desse tipo sobre auto apreço e saber se valorizar. Teu texto me lembrou a recente e tão aclamada discussão sobre "responsabilidade afetiva". Concordo com tudo, principalmente por que precisamos saber com quem estamos lidando para poder termos o direito de escolher de verdade se queremos das seguimento ou não. E preciso parabenizar muito sua colocação, pois citar mulheres supostamente tão diferente entre si passando uma mesma mensagem, já traz um tom de empatia e unidade no teu texto e ajuda as mulheres a se enxergarem mais próximas uma das outras!
    Enfim, muito bom saber que podemos esbarrar cada vez mais por aí com mulheres que estão começando a entender de verdade o que é se valorizar e como fazer ele valer dentro das relações.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Essa coisa da responsabilidade afetiva acho importantíssima de ser falada também. A vida já é muito difícil sem a gente ter que ficar brincando de enigma com os outros. Acho que a honestidade aí é primordial, não tem como começar uma relação sem isso. Brigada pelo comentário, querida! <3 Bjs

      Excluir
  13. Texto muito foda. Tirou dos meu pensamentos, só pode! S2

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Que texto sensacional! Me deu uma vontade de te conhecer do crlh!!! Parabéns! Descreveu a real!! ❤️🌹

    ResponderExcluir
  16. Vc sou eu? Kkkk meu nome, minha idade! Seu texto fala exatamente sobre o q penso, estava falando sobre isso ainda agora com uma amiga! Claro,irei roubatilhar rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha encontrei minha gêmea perdida!

      Excluir
  17. Maravilhosa!!!! Maravilhoso!!!! Texto sensacional. Incrível. Me representou muito, de uma maneira tão simplória e, ao mesmo tempo, avassaladora.

    ResponderExcluir
  18. Parece que fui eu que escrevi. Parabéns! por do alto dos seus 27 anos já estar neste nivel compreensão de si mesma.
    Eu? 61 anos abraçando os riscos. bjks

    ResponderExcluir
  19. Que texto lindo! O melhor é saber que não estamos sozinhas nesse processo de consciência sobre a honestidade, a coragem e a sinceridade! Obrigada por descrever em palavras algo que tantos de nós sentimos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou feliz de ver que não estou sozinha nisso Nathalia.

      Excluir
  20. Texto mais certeiro impossível!!! Amei!!!

    ResponderExcluir
  21. Perfeito seu texto! Estou neste momento! Se vc tem 27 e já não tem mais tempo para perder e paciência, calula no meu caso que estou com quase 38...

    ResponderExcluir
  22. É. Depois de anos vivendo exatamente (e jogando, sejamos justos) os joguinhos do "vai", "some", "deixa"...a gente um dia se pega mesmo querendo tentar as coisas de verdade. Até mesmo porque sem a tentativa, não há chance de dar certo. Confesso que não consegui ter a sua coragem.

    Gostar muito de alguém, ver que tudo encaixa de uma forma tão tranquila que te inspira não só atração, mas "permanência e envolvimento". Essas coisas a gente só aprende lá pelo "Tinder Take 22"...e tudo bem. Aprender a dar valor ao que é raro é importante. Mas Maíra, posso te contar que é unissex mesmo o drama do seu passado (até mesmo porque é o do meu presente). rs To tipo tiozinho no auditório com o microfone: "Eu te entendo, moça!". Mesmo. É uma coisa tão rara que a pessoa fica sem reação quando ouve da moça "Eu não quero sua ajuda. Eu não quero dividir nada. Essa é a minha vida. Meu tempo. Minhas coisas. Gosto muito de você, mas minha vida será sempre assim, sem tempo, sem te entregar o que você quer." Para quem viveu seus 20 e poucos anos agindo como a idade na época inspirava...ouvir aos 30 e lá vai pedrada é...pedrada mesmo. rs A gente coça a cabeça. Da ironia.

    No mundo "secreto" da pessoa que "está na pista", ouvir algo assim seria um sonho. É conseguir o milagre (aos olhos de quem ainda tá com a casca verde) de ser o "rapaz que quer ser solto e não cobrado por nada"...mas perceber isso...nesta fase da vida...admito: me deixou sem reação.

    Sem reação ao ponto de aleijar o meu "preciso ir então". Sem reação ao ponto de dar nó de escoteiro nos olhos, no pensamento. Sina de teimoso. Não rolou ir embora dessa "não-relação". Não rolou entender que o que vem pela frente é um irmão bizarro do amor, o que eu chamei de "desamor". E olha, ler o texto aqui e ver que eu fiquei pela metade na parte de falar o que se quer da pessoa pra vida..é duro. Duro porque dá pra aprender pelos erros alheios (que você compartilhou aqui)...e mais duro ainda por perceber que eu terei de viver essa história por aqui do jeito mais doloroso: Na prática.

    "C'est la vie".


    Mas nem tudo é violino e música triste. Talvez só pela leitura a gente consiga aqui um dia emular um arremedo de coragem pra lembrar que saber o que se quer não é erro; É justamente o contrário. Enfim. Vejamos se por aqui eu consigo não só me identificar com a parte 1 do seu artigo...mas principalmente com a parte 2, indo procurar quem procura por aí afora. "Ou melhor dizendo: de quem teve medo, mas foi mesmo assim, apesar de." :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você acabou de exercer sua honestidade aqui. Lindo depoimento!

      Excluir
  23. Maravilhoso texto! No entanto, essa maravilha é mesmo plena quando toda essa postura de coragem, verdade e clareza ultrapassa a esfera da relação a dois e se espalha por todas as dimensões da vida. Essa sim é uma vida que vale a pena. Uma vida por inteiro.

    ResponderExcluir
  24. perfeito! fiquei em banho maria por 12 anos (isso mesmo 12 ANOS) e há 1 ano e meio tomei a decisão q mudou minha vida.. lendo isso veio uma retrospectiva na minha cabeça!

    ResponderExcluir
  25. Uau maravilhoso este texto, eu penso muito sobre isso ultimamente, tenho 37 anos e não quero mais perder tempo fazendo joguinhos... Numa era de medos e de muitas ofertas humanas em redes sociais, parece suicídio dizer o que sente. Obrigada por verbalizar tão bem o que eu sentia. Vou repetir aqui as palavras da nossa colega lá em cima Marina Baruch.. Nem te conheço e ja quero ser sua amiga...Aliás tenho vontade de ser amiga de todos que colocam essas questões em jogo. Adoraria fazer uma conversa em grupo... Um debate sobre este assunto... Quem topa? Podemos marcar um evento, um chá.... Um qualquer coisa... Pois não se fala sobre isso, e de fato sinto muita vontade de conhecer pessoas que queiram falar sobre isso.
    Um grande abraço a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que ideia maravilhosa, adorei o chá da tarde com conversas, pode me chamar que eu vou, rs. Bjs, obrigada pela leitura!

      Excluir
  26. Que maravilhosa! E pode ser aplicado em qualquer área da vida - seja honesto consigo mesmo e faça o que tenha vontade de fazer. <3 E aproveitando a onda de dizer o q sente... já disse e repito, quero interpretar algum texto seu, me chama!

    ResponderExcluir
  27. ahooo! gratidao pelo compartilhamento!

    ResponderExcluir
  28. Achei incrível, me vejo muito nessa situação. Obrigado

    ResponderExcluir
  29. ish, isso é bem eu, sabe... mas eu me atrevo a afirmar que toda essa coragem, ela sempre vem acompanhada de um medo, daqueles associados à insegurança... quando a gente aprende a se amar tanto, e a se curtir tanto, e saber que tem que ser uma pessoa muito maravilhosa pra poder fazer com que eu queira dividir o meu tempo que eu tenho comigo com essa outra pessoa, a gente cai no barquinho que faz a gente flutuar no medo de novo, o medo de que a pessoa maravilhosa uma hora não vai ser tão maravilhosa assim e talvez não goste de você pra sempre (normal, curso da vida, amo isso mas não posso dizer que me deixa um pouco "insegura"). nesse meio tempo que ela tá se decidindo se ainda gosta de mim ou não, talvez eu tenha perdido o meu tempo conmigo, que é muito precioso, e tava dando meu amor e me dividindo com essa pessoa que teve esse lapso de coragem – que na verdade era só um momento de transição, reflexão, necessário quando a gente vai tomar decisões de renomear os nosso sentimentos... enfim, dessas coisas boas que é ser corajosa e segura e saber que não sou totalmente corajosa nem segura de nada :))

    ResponderExcluir
  30. Que texto lindo e leve!!! obrigada pela energia que vc propagou aqui no <3 ;)

    ResponderExcluir
  31. Me sentindo a pessoa mais covarde do mundo. Altas frases que me foram um tapa na cara. Excelente texto!

    ResponderExcluir
  32. maravilhoso! fiz até uns versinhos ontem pensando sobre isso e hoje li teu texto:

    ESTIAGEM

    agora te olho de lado
    quando os meus olhos parecem descumprir a função deles
    de te encarar, dilacerar a roupa e despir os gestos
    o meu olhar que avança
    não quer retornar duas camadas
    espera, ao invés, descascar tua pele até a semente
    mostrar terra boa, permitir abertura, brotar tua potência
    este olhar te procura, mas quer mais que a tua presença
    enquanto tua ausência saqueia os mistérios a se descobrir

    ResponderExcluir
  33. Obrigada Maíra, por esse texto.
    Infelizmente muitas mulheres ficam presas em relacionamentos aceitando situações, sem preceber que podem e merecem ter mais.
    Voce veio a mim como se fosse um anjinho falar o que eu pensava e precisava ver ou ouvir exatamente no mmomento certo da vida.
    Deve ser fase dos 27..rsrs
    Obrigada!
    Ja te faço minha amiga����

    ResponderExcluir
  34. Sensacional! Texto perfeito! Gratidão por compartilhar!

    ResponderExcluir
  35. Queria muito encontrar alguém que me assumisse num relacionamento. Eu sinto que também já passei dessa fase de joguinhos amorosos...Queria encontrar alguém que fosse 100% em honestidade, lealdade e sensível

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Permita se a experimentar algo novo. As vezes precisamos sair da passividade e não esperar mais é nem aceitar qualquer coisa.

      Excluir
  36. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  37. Muito bom esse texto. Acho mesmo que a idade faz a gente querer parar de perder tempo, ja fiquei meses me dedicando a alguém e cansei de joguinhos. Muitas pessoas interpretam como desespero talvez mas é só uma vontade imensa se pular aquelas etapas inúteis e partir logo pro que é bom, que é viver.

    ResponderExcluir
  38. Hoje, prestes a fazer 29 anos, com um filho de quase 2, solteira... cheguei no meu amigo de 26, falei na cara que queria ficar ele. Acho que assustei... depois disso ele entrou na onda "dos joguinhos obscuros, das indiretas sensuais" mas não toma atitude. E eu continuo insistindo e falando abertamente. Estou cansando... e esse texto me deu um gás pra tacar o foda-se nele tbm e não voltar a ser aquela de 22 anos. Que texto!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passei por uma situação bem parecida e também terminei largando um foda-se mesmo hahaha. Às vezes, é o melhor que a gente pode fazer pra se preservar! Mas que bom que o texto ajudou de alguma forma. <3 Bjs

      Excluir
  39. Li o seu texto e me senti mal pois, grande parte das vezes sou esse cara que fica "no talvez". Fico grato por você ter escrito esse texto e pode ter certeza mexeu profundamente.

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  40. haha por que a grande maioria dos comentários relacionado a esse texto, são de mulheres?

    ResponderExcluir